FRENTE BRASIL POPULAR > Imprensa > Destaques > Balanço parcial das paralisações e mobilizações contra a reforma da previdência e trabalhista

Balanço parcial das paralisações e mobilizações contra a reforma da previdência e trabalhista

Greve Geral é a palavra mais citada nas redes sociais

Com apoio da população e unidades das centrais sindicais e movimentos sociais, greve geral contra a reforma da previdência mobiliza milhares de pessoas em todo o Brasil

A hastag #GreveGeral ficou durante todo o período da manhã como a palavra mais comentada no Twitter e em outras redes sociais e demonstrou a força das paralisações e mobilizações de hoje, contra a reforma da previdência e trabalhista enviado pelo governo de Michel Temer para o Congresso Federal.

A conta dos participantes somente no período da manhã evidencia que os atos de hoje são maiores que os últimos convocados pelos movimentos sociais contra o golpe. Sinal que o povo brasileiro não deixará que as mudanças na previdência e o fim da aposentadoria aconteçam.

Em São Paulo, dois serviços fundamentais para a cidade, o transporte público de ônibus e metrô pararam desde às 0 h. Até o fechamento dessa matéria cerca de 50% das empresas de ônibus ainda estavam paradas. Na região da Grande São Paulo, seis empresas de ônibus que fazem a linha de integração aderiram à greve. Em Guarulhos, oito empresas também pararam somente no período da manhã e no ABC, os trabalhadores de seis empresas também aderiram à manifestação.

Ainda no Estado de São Paulo, houve paralisações dos trabalhadores dos Correios, Petroleiros, bancários, trabalhadores de água, esgoto e meio ambiente. Professores da rede estadual, municipal e de algumas escolas particulares realizam assembleias e depois seguem para Avenida Paulista, para o ato que contará com a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

As mulheres ocuparam a agência do INSS, localizada n viaduto Santa Ifigênia, no centro de São Paulo.

Os professores de Campinas mobilizaram cerca de 3 mil pessoas no ato que percorreu o centro da cidade. Em Santos, os trabalhadores fecharam a entrada no maior porto da América Latina e a polícia respondeu com violência. Ainda em Santos, cerca de mil pessoas fiz uma passeata.

Outro Porto que foi paralisado foi o de São Sebastião. Os trabalhadores fizeram paralisação no terminal da Petrobras. Os petroleiros atrasaram a entrada dos trabalhadores na Replan, refinaria de Paulínia, na Recap, de Capuava, em Barueri, no terminal da Transpetro, BR, na Liquigás e em Cubatão na Refinaria RBPC.

No Rio de Janeiro, embora o principal ato seja a tarde, os trabalhadores de mais de 40 escoals particulares pararam e se concentraram no Largo do Machado. A BR 356 que dá acesso ao porto do Açu foi fechada por manifestantes e o Aeroporto também permaneceu fechado. Mais de 60 agências bancárias estão fechadas.

Em Minas Gerais, 100 mil pessoas foram às ruas da capital Belo Horizonte, mas também ocorreram paralisações descentralizadas. Os metalúrgicos de Juiz de Fora realizaram ato em frente à Mercedes Benz. Uberaba e Mariana também registraram manifestações contra a reforma da previdência.

No Espírito Santo mais de 3 mil pessoas foram às ruas de Vitória. Em Brasília, o ministério da Fazenda foi ocupado por manifestantes e a passeata contou com a participação de mais de 20 mil pessoas.

Em Tocantins, Palmas cerca de 2.500 pessoas participaram do ato. Em Goiás, 25 mil pessoas fizeram parte do protesto.

Na Bahia, embora a principal manifestação seja agora no período da tarde, a concentração em frente ao Shopping Iguatemi reuniu 10 mil pessoas. Em Recife, 40 mil participantes fizeram a caminhada nas ruas do centro, em Caruaru, 2 mil pessoas e em Petrolina 10 mil pessoas participaram da manifestação. Em Fortaleza, 20 mil pessoas participaram da passeata.

No Maranhão, 2 mil pessoas também percorreram o centro da cidade e no final a manifestação se dividiu em duas e terminou em locais diferentes. No Acre, a grande marcha contra a reforma da previdência reuniu 7 mil pessoas. Em Rondônia, 5 mil e em Roraima 2 mil pessoas.

No Mato Grosso do Sul, 20 mil pessoas participaram do ato que terminou na casa do deputado federal Carlos Marun (PMDB), presidente da comissão que analisa a reforma da previdência na Câmara.

 Veja abaixo os dados da mobilização do período da manhã:

ESTADO CIDADE QUANTAS PESSOAS
AC Rio Branco 7 mil
AL Maceio 8 mil
BA
Juazeiro da Bahia 300
Salvador 10 mil
CE Fortaleza 50 MIL
DF Brasília 20 mil
ES Vitoria 3 mil
GO
Goiania 25 mil
Rio verde 300 pessoas
MA Sao Luis 2 mil
MS Campo Grande 20 mil
MG
Belo Horizonte 100 MIL
Mariana 2 mil
Uberaba 2 mil
PA Belem 10 mil
PR
Curitiba 60 mil
Maringá 5 mil
Iguaçu 1 mil
PE
Recife 40 mi
Petrolina 10 mil
Caruaru 2 mil
RN Paus dos Ferros 1200
 
Canoas 4 mil
Caxias 4 mil
Novo Hamburgo 5 mil
RO Porto Velho 5 mil
RR Boa Vista 2 mil
 
Campinas 3 mil
Bauru 1 mil
Itanhaém 100 PESSOAS
TO Palmas 2,5 mil